sábado, 27 de dezembro de 2008

2009

Este ano não me apetece falar do Natal.

O Natal começa-me a parecer esquisito... As pessoas são capazes do melhor e do pior! Apetecia-me mais falar sobre um programa sobre chimpanzés que vi, em que se faziam umas experiências para provar que eles eram inteligentes e que tinham sentimentos. Conseguiu-se provar isto tudo, mas eles só agiam por interesse próprio... E sendo assim, será que o facto de não agir por interesse próprio, mas por um interesse comum a todos, a razão de nós sermos diferentes deles? Se assim for, há muitos mais macacos do que se pensa...... E agora eu começava para aqui a falar disto e nunca mais acabava! LOL

Tenho estado ausente do blog, e vou continuar assim durante uns tempos. Passei por cá para desejar um Bom 2009 a todos, com muita esperança, saúde, amor e força de vontade! ;)

domingo, 14 de dezembro de 2008

Almôndegas 'Marroquinas'

Sei que não tenho foto, mas como só devo voltar a fazer esta receita daqui a uns bons tempos, o melhor é deixar já aqui a receita, mais ou menos com as quantidades que eu acho certas! :P A receita que vou deixar dá para umas 4 pessoas, ou 3 com fome... Ao longo da receita vou dando algumas sugestões, coisas que provavelmente farei da próxima vez que preparar este prato.


Comecem por embeber cerca de 1/2 pão que tenham há alguns dias num pouco de leite. Depois, numa taça, temperem 500g de carne picada (vitela, porco, ou uma mistura das duas. Eu sugiro usar salsichas frescas.) com sal, pimenta, meia colher de chá de noz moscada, meia colher de chá de cominhos e 1 colher de chá de canela. Estes temperos dependem do gosto pessoal, podem usar mais ou menos, em diferentes proporções. Desfaçam o pão numa picadora e adicionem à carne. Misturem tudo e formem as almôndegas. Passem-nas levemente por farinha. Para a próxima, irei experimentar uma 'crosta' de pão ralado e alho em pó.

Piquem uma cebola, não muito finamente, e coloquem ao lume, num tacho, a refogar em azeite. Quando estiver lourinha, juntem as almôndegas e vão virando, para tostarem a toda a volta. Assim que estiverem prontas, retirem para um tabuleiro de ir ao forno e liguem o forno para aquecer.

Coloquem um pouco de vinho branco na panela e raspem os bocados que possam ter ficado agarrados ao fundo do tacho, com uma colher de pau. Isto é importante para não ficarem a queimar o molho de tomate! Assim ajudam a dar um sabor ainda melhor. Abram uma lata de tomate pelado e com uma faca cortem o tomate lá dentro. Quando o álcool do vinho evaporar, juntem o conteúdo da lata e uma colher de sopa de polpa de tomate. Mexam, temperem com sal, pimenta, alho em pó, manjericão, oregãos e salsa. Deixem ao lume até o tomate se começar de desfazer. Nesta altura juntem cerca de 200mL de natas e envolvam tudo. Cubram as almôndegas com este molho, adicione uma camada de queijo e leve ao forno até gratinar.

Eu acompanhei com esparguete, e digo-vos que sabe mesmo bem! =)


A canela não é mais que casca de árvore. É usada há imenso tempo, existindo referências na Bíblia e em textos de Heródoto e outros escritores da altura. Eu adoro canela, acho que muda completamente certos pratos e em bebidas então... Quanto ao seu carácter afrodisíaco, não achei assim grande coisa pela net, por isso não posso comentar! :P

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

bla bla bla

Não tenho ligado muito ao blog, é verdade... As razões não são para aqui chamadas, mas penso que melhores tempos virão. :)

Já tenho mais uma receita, de carne! :P Mas não tirei fotos nem grandes medidas, por isso o melhor é fazer novamente para deixar a receita certinha.

Já agora, se algum visitante deste blog já tiver sido operado às amígdalas, é possível deixar um curto testemunho?

Obrigado!

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Risotto de Polvo

Eu sei que parece que já é demais... Mas risotto é daquelas coisas.....

Hoje convenci os meus pais a deixarem-me cozinhar risotto para eles! Por mais incrível que isto possa parecer, SÓ HOJE é que aceitaram comer um jantar idealizado por mim! A minha mãe é uma óptima cozinheira, mas muito conservadora... Não gosta de invenções. Para ela risotto é uma coisa esquisita. No entanto, ela nunca se sentiu satisfeita com o arroz de polvo que fazia. Esta semana, no Pingo Doce, havia uns folhetos com uma receita de arroz de polvo e uma secção com dicas a falar sobre a cozedura do polvo, arte que a minha mãe confessa nunca ter dominado. Vai daí, consegui convencê-la a deixar-me experimentar um risotto de polvo, aproveitando ela para testar a técnica da cozedura do bicho!

Resultados: A cebola podia ter ficado um bocadinho mais refogada, o polvo podia ter ficado um bocadinho menos duro... Mas se assim fosse, tinha concebido algo perfeito, e como é do conhecimento geral, nada é perfeito! Pelo menos até à próxima vez que tentar fazer risotto de polvo!! :P

(Já agora, quando eu digo estas coisas da perfeição, não é que eu me considere grande cozinheiro... Mas em relação ao que o meu paladar está habituado, este risotto ficou muito bom!)



Ingredientes:

1kg de Polvo
100g de Margarina
2 Cebolas
2 dentes de Alho
1 Tomate
250g de Arroz para Risotto
100mL de Vinho Branco
200mL de Vinho Tinto
1 ramo de Salsa
1 folha de Louro
sal
pimenta


Preparação:

Cozam o polvo da maneira que acharem melhor! Eu coloquei na lista 2 cebolas, porque uma delas foi usada na cozedura. Segundo o folheto do Pingo Doce, o polvo congelado vai a cozer com a cebola, e quando esta estiver cozida, o polvo estará cozido e tenro. Da cozedura do polvo, que depois é cortado aos pedaços, retirem cerca de 1L de caldo. Juntem a este caldo o vinho tinto e levem ao lume, fraquinho, apenas para o manter a fervilhar.

Refoguem a cebola e o alho em cerca de metade da manteiga. Quando a cebola estiver bem refogado e dourada, juntem o arroz e deixem fritar até ficar translucido. Adicionem agora o vinho branco e o tomate e mexam. Temperem com sal, pimenta, salsa e louro. Eu atei a salsa e o louro num molhinho para mais tarde ser fácil de retirar. Depois é o costume do risotto, ir adicionando caldo e mexendo até ficar no ponto. Assim que estiver quase com aquela textura maravilhosa, adicionem o polvo e a restante margarina. Mexam até esta derreter e sirvam logo logo!


Devo também salientar o vinho que usei! EA (Eugénio de Almeida), um tinto alentejano da Adega da Cartuxa. Eu não percebo muito de vinhos, mas ADORO este! A foto é do blog bla-bla, estou a usá-la porque está excelente! (Espero que este elogio me safe de problemas de direitos de autor! :P)

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Sopa de Grão e Agrião

Quando era miúdo detestava sopas! Primeiro porque tinham coisas verdes, depois porque me faziam lembrar a porrada que levei para as engolir! lol Passou algum tempo em que não lhes toquei, e o perdão veio aos poucos com as sopas da avó (sopa de carne, por exemplo) e com uma sopa de peixe em casa de um colega de faculdade. Passados uns anos, com o Creme de Cenoura, descobri que fazer sopas também é divertido! Descobri que as sopas são muito boas, se forem feitas como nós gostamos... e eu ADORO esta sopa de grão com agrião! =D

Ingredientes:

1 Cebola
2 dentes de Alho
Azeite
150g de folhas de Agrião
400g de Grão de Bico cozido
+- 1L de Água
1 caldo Knorr de Galinha
sal e pimenta


Preparação:

Comecem por passar o grão, depois de escorrido, na varinha mágica e reservem. Fervam a água e juntem o caldo Knorr. Façam um refogado com a cebola, o alho e o azeite. Quando a cebola estiver lourinha, juntem o agrião e esperem que este "murche". Depois coloquem o grão num escorredor, sobre a panela da sopa, e vão adicionando o caldo. Isto faz com que a casca do grão fique no escorredor, mas o grão e o caldo caiam para a panela. Para verificar se tudo está bem cozido, costumo adicionar uma batata pequenina e, quando esta estiver cozida, apago o lume e passo tudo com a varinha mágica!

Temperem com sal e pimenta e bom apetite! ;)

A morcela assada da foto é uma sugestão do site da Vaqueiro, onde também fui buscar a ideia para a montagem da foto! lol =D





domingo, 9 de novembro de 2008

Bola de Carne

Quando há umas sobras de carne e chourição, bacon ou presunto no frigorifico, uma bola de carne é sempre uma opção. Claro que usar fermentos biológicos é sempre preferível do que fermentos em pó, mas quando o tempo escasseia, ou foi uma decisão de última hora, esta é uma excelente opção!

Batem-se muito bem 6 ovos inteiros com 2,5 dl de óleo durante 2 ou 3 minutos, com a batedeira eléctrica. Acrescentam-se aos poucos 350 g de farinha misturada com 2 colheres de sopa de fermento em pó, alternando com 1 chávena de leite. Vai-se sempre batendo e, por fim, junta-se 1 colher de café mal cheia de sal.

Unta-se um tabuleiro (também podem usar uma forma se preferirem) com margarina e polvilha-se de farinha. Deita-se uma camada de massa no tabuleiro e dispõem-se as carnes (+ ou - 400 g - fiambre, presunto, bacon, carne assada, paio, chouriço, o que gostarem e tiverem a jeito).

Cobre-se com o resto da massa e vai ao forno bem quente.


Esta receita foi tirada de um fórum, e os direitos de autor são da Cozinha com a Anna

Cumps! ;)

sábado, 8 de novembro de 2008

Aebleskivers Pan - Informações

Em resposta a um comentário no post sobre os Aebleskivers, feito por uma visitante anónima (do Luxemburgo, suponho...), aqui vão algumas informações sobre os utensílios para fazer estas delicías dinamarquesas!

O link para o site da máquina que eu tenho está aqui. A máquina custa cerca de 350 DKK, cerca de 47 €. Quando a comprei e fiz o câmbio, enganei-me e pensei que tivesse sido mais cara! =D Por isso já foi bom ter feito esta pesquisa! LOL

No entanto não deve ser fácil arranjar uma igual sem importar de lá... O que se encontra facilmente no eBay, fazendo uma pesquisa por 'aebleskiver', são umas frigideiras que se usam no fogão, e estas é que são mesmo típicas! :P Aqui está uma loja que também as vende.


Em Portugal, talvez em lojas como a Pollux ou assim... Mas não tenho a certeza de ser possível encontrar disto cá.

Espero que a informação disponível seja útil! ;)

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

O Mundo

Gostava de escrever como o Ricardo Araújo Pereira! A Visão é uma grande revista e a Boca do Inferno fecha as suas edições com chave de ouro! Esta semana a crónica do Gato fala do Banco Português de Negócios Esquisitos, e há uma frase que eu tenho de salientar:

«Quem deve 700 euros pode ter problemas: intimações, tribunais, penhoras. Quem deve 700 milhões, em princípio, está mais à vontade.»


E é esta a realidade do Mundo em que vivemos...

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Sobre Amígdalas e Amigdalite

Andava à procura de uns textos mas todos falavam de opiniões, ou eram demasiado cientificos... Até que achei isto:

SOBRE AMÍGDALAS E AMIGDALITE


O plantão está corrido, mas tranqüilo. A meio caminho de tomar um café para espantar o frio do inverno, o som avisa: Dr. Alessandro, favor comunicar com o ramal 301... Dr. Alessandro, favor comunicar com...

Ao contrário dos seriados da TV, nos hospitais de verdade eles repetem as chamadas várias e várias vezes por vários motivos. O principal deles é o fato do som vir tão cheio de interferências que a maioria de nós mortais só consegue entender Doutor alersmurfinuns... ramal tzentozezum.

Chegou uma paciente e ela não está bem não, avisa a enfermeira ao telefone. A paciente se chama Carolina. Tem 11 anos, uma mãe, uma avó e uma cara de choro de dar inveja a novela mexicana.

- Amigdalite de novo, doutor - avisa a mãe.

A parte boa das mães é que elas quase sempre trazem o diagnóstico na ponta da língua. A parte ruim é que elas quase sempre trazem o diagnóstico na ponta da língua.

- De novo?

- De novo. Vive tendo isso. Há umas duas semanas, teve igualzinho e eu tratei por minha conta...

- Que ótimo faço as perguntas de praxe, examino pressão, pulmões, garganta, articulações...

- ...Na última vez, dei logo um antibiótico e nem precisou ir ao médico. Mas é a quarta só este ano. Fiquei preocupada, decidi procurar o hospital. A Carolina não gosta muito de médico, mas fazer o quê, não é?

- Que ótimo sento, anoto na ficha. Também não gosto de médicos. Sempre preferi as médicas. E sim, a mãe está certa: é uma amigdalite. E das grandes. Carolina tem todo direito de fazer cara de choro. Mas...

- A senhora já ouviu falar em Febre Reumática?

A avó me aponta com a bolsa: - Reumatismo, eu tenho!

- Não, não. Febre Reumática. Não reumatismo. São problemas diferentes e sem querer assustar mas já assustando, pego uma folha de papel para explicar (só sei explicar rabiscando, será que tem tratamento pra isso?) -. Uma simples dor de garganta, se não for tratada direito, pode resultar em doença cardíaca grave e até mesmo em morte.

Pronto, a palavra mágica. Morte. Não tem mais jeito: agora até você irá prestar atenção.

O inverno é ingrato com as gargantas mais frágeis. O ar frio e seco, a tendência de ficarmos mais próximos uns dos outros e as janelas fechadas favorecem a disseminação de todo tipo de microorganismo. As Amígdalas fazem parte de um grupo de gânglios que analisa a presença destes germes nas partículas que respiramos. No caso de uma infecção respiratória, uma de suas funções é facilitar a produção de anticorpos para eliminar o agente invasor.

O problema começa quando as inflamações repetidas nas Amígdalas resultam na produção de anticorpos defeituosos, que atacam tanto as bactérias quanto outras estruturas sadias do próprio corpo. Este estado de resposta míope do sistema de defesa se chama Febre Reumática. Dos 10 milhões de casos de amigdalite que ocorrem no Brasil a cada ano, cerca de 30 mil não serão tratados corretamente e irão evoluir para Febre Reumática.

A Febre Reumática é mais comum em mulheres entre os 05 e 15 anos de idade. Os principais sintomas incluem febre, inchaço e dores nas articulações (principalmente joelhos, cotovelos e tornozelos), cansaço, falta de ar e aceleração dos batimentos cardíacos. Nos estágios mais avançados, a doença pode destruir completamente as válvulas cardíacas.

Antigamente, para evitar estas complicações, os médicos retiravam toda e qualquer Amígdala que olhasse torto para eles. Mas os tempos mudaram e as Amígdalas se tornaram menos descartáveis. Hoje, o tratamento padrão da amigdalite consiste em antibióticos por cerca de 7 a 10 dias. Alguns analgésicos, antiinflamatórios e chás naturais são úteis para aliviar os sintomas, mas não substituem os antibióticos. A remoção das amígdalas está indicada para pessoas que sofrem mais de 5 episódios de Amigdalite por ano.

No caso da Carolina, ela recebeu orientações para acompanhamento, uma semana de amoxicilina e a recomendação de tomar uma injeção de penicilina benzatina (Benzetacil) a cada 21 dias por pelo menos 1 ano e, provavelmente, até os 18 anos de idade. Benzetacil a cada 21 dias?? Infelizmente, Carolina, este esquema é o melhor para evitar a Febre Reumática. Trocar uma válvula em um coração reumático dói bem mais que um benzetacil a cada 3 semanas, acredite. Paciência. E lá se foram Carolina, a mãe, a avó e a cara de choro.

Encostei a porta do consultório com o senso do dever cumprido e estava a meio caminho de tomar aquele café para espantar o frio, quando o som avisou: doutor alersmurfinuns, ramal tzentozédois....


Dr. Alessandro Loiola é médico, escritor, palestrante, autor de Vida e Saúde da Criança e Crianças em forma: saúde na balança (www.editoranatureza.com.br). Atualmente reside e clinica em Belo Horizonte, Minas Gerais.
© Dr. Alessandro Loiola



Já só me falta 1 episódio... E embora sempre tenha torcido o nariz a arrancar as amigdalas, estou capaz de as arrancar eu próprio à próxima amigdalite! Sei que é um processo irreversível, mas a continuar assim, o futuro também não se adivinha brilhante! Só espero que tudo corra pelo melhor e aquilo que aconteça daqui para a frente seja a melhor solução.

Cumps.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Há males...

...que vêm por bem.


Hoje ganhei ainda mais Amor ao meu carro e juízo na condução que faço. Depois de ontem ter tido um episódio infeliz com o meu, mas em que me consegui controlar, o que hoje aconteceu ao carro do meu pai é bem capaz de ter sido a cura para os meus episódios de autêntica parvoíce ao volante.

Há males que vêm por bem...

Felizmente ninguém se aleijou, felizmente o meu pai não é culpado, felizmente estou a abrir os olhos e há grandes lições a tirar.

Hoje senti-me crescido...

domingo, 19 de outubro de 2008

Back to...

Estava aqui a pesquisar no google por uma foto que ilustrasse o meu estado de espírito. Amanhã volto ao trabalho depois de 15 dias de 'pseudo-férias'... Não conseguia arranjar nada que descrevesse com exactidão aquilo que me vai na alma, até que me lembrei disto:


Fotografia tirada no meu primeiro dia de escola...! E acreditem que estou tal e qual... Espiritualmente falando!

Mais uma coisa, ao fundo do blog vão encontrar uma espécie de jukebox. Para quem conhecia o meu blog antigo, que tinha aquele 'loop' feito em flash, fiquem descansados! Eu não vou colocar aquilo a tocar logo de início! LOL Mas se quiserem saber o que se ouve por aqui, dêem um saltinho lá abaixo e cliquem no play!

Cumps e boa semana a todos! ;)

domingo, 12 de outubro de 2008

Sopa de Peixe

Fui novamente 'apanhado' por uma amigdalite... e usei o novamente porque já é a terceira vez em menos de 2 meses. Isto era normal quando tinha uns 10 anos, hoje em dia não acho normal e não estou a ver uma forma de isto 'acabar bem'... está aberta uma guerra entre mim e o que quer que seja que me provoca isto!

Hoje acaba a minha primeira semana de férias! Para além da amigdalite, o tempo está... o que está (!) por isso devem imaginar como foi... Só há uma coisa capaz de animar uma pessoa num dia destes: uma malga de sopa de peixe quentinha e acabadinha de fazer! =D

Eu costumo fazer cá em casa uma sopa de peixe simples, tipo 'caldo', virada para a sopa de peixe mediterrânica ou à moda de sesimbra, onde se usam as cabeças do peixe das caldeiradas. No trabalho, a sopa de peixe que costumam servir é espessa, com batata, mas essa nunca fiz. Hoje vou dizer como fiz a cá de casa e depois dou as minhas ideias para a próxima! ;)


Se alguma vez tivesse um restaurante, a maximização do aproveitamento dos ingredientes seria algo fascinante! Tal deve ser levado praticamente ao extremo nos refeitórios, mas aqui em casa esse aproveitamento é mediano... Mas há uma coisa que eu gosto de aproveitar: caldos! Quem é que deita fora a água de cozer o peixe!? Passamos a vida a cozinhar com caldos da Knorr e quando ficamos com um caldo entre mãos... devemos sempre fazer por o aproveitar!!

Depois de o peixe estar cozido, coem a água e reservem-na. Numa panela refoguem em azeite uma cebola picada grosseiramente. A cebola não deve alourar e a quantidade de azeite deve ter em conta a gordura do peixe que se cozeu. Quando a cebola estiver pronta, coloquem 2 dentes de alho esmagados, um ramo de salsa ou coentros, e uma folha de louro na panela. Deixa-se refogar mais um pouco e junta-se o caldo do peixe e um copo de vinho branco. Baixem o lume e, enquanto o preparado levanta fervura, pelem e retirem as sementes a dois tomates. Quando estiver a ferver, juntem o tomate cortado aos quadradinhos. Com o lume brando, e a panela semi-tapada, esperem uns 5 minutos até colocarem a massa (miudinha, de preferência) e rectifiquem o tempero de sal e pimenta. Deixem a massa cozer uns 10 minutos e está pronta a saborear!


Ora, das muitas receitas de sopa de peixe que se podem encontrar por aí, algumas dão umas dicas porreiras... Uma diz para adicionarmos uns pedacinhos de tamboril enquanto a sopa ferve! Deve dar um gostinho espectacular! Outra ideia é variar nas ervas a usar. Nas várias receitas que encontrei sugerem-se: tomilho, poejos, hortelã, oregãos, alecrim e colorau. Algumas receitas sugerem que se refogue também um pouco o tomate e outras adicionam marisco! Num livro de Guisados e Sopas que tenho cá em casa, sugerem que se junte peixe e mexilhões quando se coloca o caldo e o vinho na panela. Mexe-se e tapa-se a panela e cozinha durante 5 minutos, depois junta-se o tomate e umas gambas e cozinha por mais 3 a 4 minutos. Quando o peixe estiver cozido, retiram-se as ervas e os mexilhões que não abriram. A mesma receita sugere também que se sirva este prato em tigelas previamente aquecidas, guarnecidas com tomilho, umas cunhas de limão à parte e fatias de pão torrado esfregadas com alho!

Uma receita simples, mas com bastante espaço para 'improvisos' e 'imaginação'! A minha versão é sempre bastante simples, mas ainda vou experimentar um dia uma versão GTi! =D experimentem vocês uma versão quando alguém cozer peixe aí em casa!

Cumps! ;)

domingo, 5 de outubro de 2008

Private Kitchens [ou ''sifangcai''] =D



Vou começar este post por dizer que estou absolutamente fascinado com o que descobri hoje! Private Kitchen, Speakeasy ou 'Sifangcai' (em mandarim!) são a última moda em Hong Kong! Mas comecemos pelo princípio, explicando como apareceram os restaurantes:


Restaurant - History

The term restaurant (from the French restaurer, to restore) first appeared in the 16th century, meaning "a food which restores", and referred specifically to a rich, highly flavoured soup.

According to The Guinness Book of Records, the Sobrino de Botin in Madrid, Spain is the oldest restaurant in existence today. It opened in 1725.

The modern sense of the word was born around 1765 when a Parisian soup-seller named Boulanger opened his establishment. The first restaurant in the form that became standard (customers sitting down with individual portions at individual tables, selecting food from menus, during fixed opening hours) was the Grand Taverne de Londres, founded in 1782 by a man named Beauvilliers.


Whilst inns and taverns were known from antiquity, these were establishments aimed at travellers, and in general locals would rarely eat there. The restaurant became established in France after the French Revolution broke up catering guilds and forced the aristocracy to flee, leaving a retinue of servants with the skills to cook excellent food; whilst at the same time numerous provincials arrived in Paris with no family to cook for them. Restaurants were the means by which these two could be brought together — and the French tradition of dining out was born. In this period the star chef Antonin Carême, often credited with founding classic French cuisine, flourished, becoming known as the "Cook of Kings and the King of Cooks."

Restaurants spread rapidly to the United States, with the first (Jullien's Restarator) opening in Boston in 1794, and they spread rapidly thereafter. Most however continued on the standard approach (Service à la française) of providing a shared meal on the table to which customers would then help themselves, something which encouraged them to eat rather quickly. The modern formal style of dining, where customers are given a plate with the food already arranged on it, is known as Service à la russe, as it is said to have been introduced to France by the Russian Prince Kurakin in the 1810s, from where it spread rapidly to England and beyond.


Eu preferi colocar a versão em inglês, mas a versão em português está disponível aqui. O que importa reter é que os restaurantes devem a sua existência ao fim da aristocracia, o que deixou muitos cozinheiros e pessoas que serviam à mesa sem emprego, e à vinda de pessoas para a cidade que não tinham quem cozinhasse para elas. Resumindo, juntou-se a fome com a vontade de comer! Pessoas com experiência, mas sem trabalho, e pessoas que procuravam algo diferente, isto no século XVI.

Voltando ao século XXI, não é que aconteceu o mesmo!? =D Em Hong Kong, chefes reformados e ex-proprietários de estabelecimentos que faliram (pois as rendas e os impostos sobre a restauração são muito caros) perceberam que havia um grupo de pessoas com uma vontade de mudança... gastronomicamente falando!

E o que é que decidiram fazer? Restaurantes caseiros! Fazem das suas casas restaurantes de topo, usando os melhores ingredientes em refeições destinadas a um grupo de pessoas muito pequeno, que poderá usufruir desta refeição caseira na sala do chef!

Private kitchen is unique type of eatery in Hong Kong. A typical one is based in ordinary apartments, the capacity is usually less than 10 customers. No government licenses, no prominent shop signs, advertising is usually by word of mouth. How to find out private kitchen? What're their reservation numbers?




É claro que nada disto é licenciado, nem publicitado. Duvido que a lista do link acima se refere a genuínas private kitchens. Embora eu tenha conhecimento disto através de uma reportagem que vi na televisão, em que pelo menos duas pessoas que praticam este tipo de negócio davam entrevistas, acredito que a maior parte seja bastante secreta e que o seu conhecimento seja passado apenas entre amigos e conhecidos.

A Private Kitchen is a modern term in Hong Kong referring to an unlicensed, restaurant-like establishment for eating. Usually, it provides not only quality home-made food and drink, but a sense of being at home.


Eu acredito que os primeiros casos sejam de uma qualidade extrema, pois não me parece que algo deste género apareça exclusivamente pelo dinheiro, e nas reportagens que vi, o interesse dos chefs destas private kitchens pela gastronomia era impressionante! Chegava ao ponto de uma senhora, que tentava praticar uma gastronomia como antigamente se praticava nas aldeias, demorar 10 horas para cozer uma galinha! E claro, galinhas, leitões, lagostas, meloas, ovos, arroz, milho, melancia... praticamente tudo era biológico! Cultivado ou criado pelos vizinhos, apanhado no rio ou numa horta! =D Hoje em dia talvez muita gente tenha visto neste tipo de actividade uma oportunidade de negócio, e aí talvez a qualidade e a higiene sejam menos cuidadas...

Ou seja! Por um lado é bom isto ser uma prática ilegal! Só os amigos e um grupo restrito de pessoas é que sabem, pessoas essas que provavelmente são muito selectas e sabem apreciar uma boa refeição. Assim sendo, o espaço para o desenvolvimento de private kitchens focadas na rentabilização deste tipo de negócio é muito reduzido... Por outro, se eu fosse lá provavelmente via-me à rasca para encontrar uma destas casas!



O interessante é que isto representa muito bem aquilo que eu gosto de fazer! Cozinhar para os amigos! Experimentar coisas novas, ultrapassar-me... E poder partilhar isso em casa, com aqueles que me são mais próximos, desfrutando de uma óptima refeição e convívio! =D Gostava, sinceramente, de um dia poder ter a minha private kitchen!

Se quiserem mais informações, visitem:

Private kitchens add color to H.K. food culture

Informação sobre 3 Private Kitchens


Cumps! ;)

PS: Não se admirem se a porta de minha casa um dia for pintada de amarelo... :P LOL

domingo, 28 de setembro de 2008

Bolo de Ananás


No Sábado vinha de Lisboa, pela Marginal, e embora estivesse bom tempo por lá, em Cascais o tempo estava negro e trovejava bastante no mar, assim na direcção da Costa da Caparica. Um cenário fenomenal de Outono! =D Lembrei-me das tardes que passava na varanda do meu quarto, com amigos, a ver relâmpagos e a conversar... E lembrei-me das palavras da Carla, aliás, da Drª Carla... =P sobre o Outono, altura "de chás, de comidas quentes e reconfortantes"... E não há nada mais reconfortante do que um lanchinho acabado de fazer!

Este Domingo, para a família, fui aproveitar umas coisas que já andavam cá por casa há algum tempo e fiz este bolo para o lanche:

Bolo de Ananás:


Ingredientes:

Para o caramelo:

250g de açúcar
1 dL de água
sumo de 1/4 de limão

1 ananás


Para o bolo:

200g de açúcar
150g de margarina
4 ovos
1 colher (sobremesa) de fermento em pó
1,5 dL de leite
250g de farinha


Preparação:

Prepara-se o caramelo fervendo o açúcar e a água num tacho. Eu usei açúcar mascavado e açúcar amarelo. Mexe-se de vez em quando, e quando estiver no ponto desejado, espreme-se o limão e deita-se umas 2 ou 3 colheres de sopa de água. Volta-se a colocar tudo ao lume e vai-se mexendo até atingir a consistência desejada.

Logo de seguida, barre a forma com o caramelo, fazendo-o circular por dentro desta e ajudando com uma colher se necessário. Depois coloque o ananás em rodelas a forrar a forma. Eu usei ananás enlatado, só é preciso ter cuidado e escorrer bem as rodelas antes de as colocar na forma.

Agora o bolo. Misture o açúcar com a margarina. Adicione as gemas e o leite e, de seguida, um pouco da farinha com o fermento misturado. Alterne depois a restante farinha com as claras batidas em castelo, ligando tudo com cuidado para o bolo não "talhar". Eu juntei um pouco de canela, para dar aquele gostinho... :P De seguida, deite a massa na forma já forrada e leve a cozer em forno médio. Quando estiver cozido, desenforme logo que sair do forno e bom apetite! =)





Cumps! ;)

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Old days...


Não sabia o que havia de escrever, mas apetecia-me... e como não quero entrar em divagações nem pensamentos dos meus, decidi escrever sobre cocktails!

Fui durante uns anos, e apenas durante o Verão, empregado num bar perto de casa. Embora não seja especialista, deu para ter uma ideia de como as coisas funcionam e experimentar uns cocktails! Vou-vos deixar o meu preferido, Long Island Ice Tea e outro que deve ser muito bom, mas que eu não bebo porque, por alguma razão que me ultrapassa, não tolero Bailey's!


Honey Bear:

1 1/2 medidas de Baileys
1/2 medida de Frangelico
1/2 medida de Licor de Café (Tia Maria)
1/2 medida de Natas
Mel a gosto

Juntar tudo num liquidificador com gelo e misturar bem. Servir em copo de cocktail.



Long Island Ice Tea:

1 medida de Vodka
1 medida de Tequilla
1 medida de Rum
1 medida de Gin
1 medida de Triple Seco (ou Cointreau)
1 medida de Sumo de Limão
1/2 medida de Xarope de Açúcar
Coca-Cola para completar


Encha até meio o shaker com cubos de gelo. Junte todos os ingredientes, menos a cola, e agite brevemente, se possível apenas num breve "shake". Deve ficar um pouco de "espuma" (fizz) no topo do preparado. Coe para um copo meio cheio de gelo partido e complete com coca-cola. Se desejar, junte uma rodela de limão.


Infelizmente os cocktails em casa saem muito caros, por isso não tenho fotos originais... =/ Se puderem, não deixem de experimentar! ;)

Ósculos e amplexos! LOL (para a menina caloira, que diz descobrir palavras novas no meu blog! Espero que alguma destas seja novidade! ;) )

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Façam a diferença!


Há uns tempos fui surpreendido com uma notícia, daquelas que nunca, mas nunca, desejamos ter. Sinto uma enorme simpatia e apreço pela pessoa alvo da notícia, ainda lhe devo a animação em flash do meu blog anterior! lol e tenho tanta pena de não o poder ajudar mais e de não ser mais próximo, nem ter à vontade, para lhe dar ainda mais força do que aquela que ele recebe todos os dias no blog e, certamente, em todos os que o visitam e comunicam com ele. E acreditem, ele merece toda a força e carinho que lhe dão.

Eu poderia já ter colocado este post há algum tempo, mas não queria falar com desconhecimento de causa, e sendo assim tornei-me dador de medula óssea.

«Desde a criação da Associação Portuguesa contra a Leucemia (APCL), em 2002, que o registo de dadores aumentou de 1377 para mais de 64 mil em 2006. Um crescimento exponencial que nos colocou no terceiro lugar do ranking europeu, mas que precisa continuar a crescer a este ritmo.» E acreditem que não é difícil! Doar medula óssea é, à partida, tão simples como uma colheita de sangue para análises! As coisas tornam-se mais sérias se for encontrado um receptor compatível, mas... se há alguém que olha para isso como o iniciar de um processo que, eventualmente, se pode tornar mais doloroso... Eu só posso rotular essa pessoa de imbecil e egoísta. Duvidam? Quando se dá a alguém a possibilidade de salvar uma vida, a vida de uma pessoa que, de certeza, já sofreu com os tratamentos e que tem família e amigos a sofrer com ela... Existirá acto mais egoísta do que recusar essa possibilidade com receio de alguma dor!? Já para não falar de imbecil, porque com a quantidade e a facilidade de acesso à informação que hoje em dia existe, facilmente se percebe que doar medula óssea pode não custar mais que doar sangue!



Existem, claro, pessoas incapacitadas de o fazer, mas mesmo essas devem tentar arranjar voluntários. Por que hoje devemos fazer pelos outros, aquilo que amanhã gostaríamos que fizessem por nós.

Vou deixar alguns links para se informarem e espero, sinceramente, que não sejam indiferentes a esta causa. Nunca se esqueçam que doar medula, é doar VIDA!

Centro de Histocompatibilidade do Sul

Associação Portuguesa contra a Leucemia (APCL)

Wikipédia: Medula óssea

Portal da Saúde: Transplante de Medula Óssea

Diário de Notícias: Portugueses Dadores de Medula Óssea


As melhoras Pedro! =)

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

9/11

O texto deste post está a preto em homenagem às visitas do atentado de 11 de Setembro de 2001 ao World Trade Center.


Embora pareça já passado, e (apenas mais) uma daquelas cerimónias à Americana, as homenagens aos que perderam a vida neste acidente relembram um dia de angústia, com imagens de desespero e a sensação da imensa fragilidade da vida humana. Os sentimentos desse dia são impossíveis de descrever.

Hoje, e trabalhando na Manutenção Aeronáutica, apercebo-me da mudança que tal acto provocou no Mundo. Ainda para mais, hoje comecei um curso de Factores Humanos, que se centra basicamente nos riscos da segurança aeronáutica. Um acto daqueles é quase uma epopeia (tal não deve ter sido o trabalho que deu planear algo com aquela dimensão), foi bem executado e cumpriu, infelizmente, um objectivo terrorista. Envolveu milhares de mortes e causou um sofrimento enorme a tanta, mas tanta gente...

É incrível aquilo de que um ser humano é capaz. Hoje, no curso, ouvi algo que me deixou a pensar:

"Nós não somos a medida da nossa inteligência ou das nossas capacidades, porque essas, todos temos. Nós somos a imagem das nossas limitações."

À Conquista do Mundo!!





«Era um Domingo como outro qualquer. O despertador toca cedo. O nosso herói veste o seu fato: camisola preta, justa e de mangas compridas, os seu super-calções de bolsos com fecho e as meias. De volta à cama, por cima dos lençóis, aguarda a chamada de JP que dará início à aventura na sua incrível e avançada máquina de duas rodas!

Alguns vinte quilómetros depois, e de volta à base, o nosso herói toma o seu banho e aparece pelo Messenger. É nesta altura que aparece Amicci! Um companheiro de longa data de todo o tipo de aventuras: cinematográficas, culinárias, bricolage, jogos de computador, jogos de mesa e, claro, escolares. Estes dois há muito que tentam delinear um plano para conhecer o Mundo, mas, este Domingo, tão normal até agora, está prestes a tornar-se inesquecível!

Amicci, num rasgo de excitação, exclama para o nosso herói: "Ouve lá, e que tal hoje irmos conquistar o Mundo?!"

XANAAAAAMMMMM!!! (música brutal, daquelas ao estilo star wars!!)

A ideia é bem aceite, mas o nosso herói levanta uma questão importante: "Fod****, mas nós sozinhos não somos capazes disso! Temos de chamar... o Capitão Nelito!" É aí que o telemóvel, que de manhã ia matando o nosso herói de susto durante o segundo sono, efectua uma chamada histórica para a Humanidade! Contactado, o Capitão Nelito aceita unir esforços para a conquista do Mundo e em breve se juntará com Amicci e o nosso herói no Messenger, a fim de combinar o cenário da Conquista do Mundo!»


Não perca o próximo episódio, onde Amicci sofre uma transmutação e transforma-se no super-puderoso e super-famoso artista do YouTube: BENNY LAVA!!!!



Gostaram da história? Espectacular não está?! Sabem, fui eu que escrevi o Dragonball... =D NOT!! LOL Não tenho muito jeito para isto, mas assim sempre é mais interessante do que dizer apenas:


«Este Domingo de manhã fui andar de bicicleta e depois combinei ir jogar ao Risco com uns amigos.»


Mas a história não é só esta, porque a ideia era realmente jogar Risco... com uma grande jantarada à mistura!! Surpresa das surpresas, só nos ficámos pela jantarada: Bruschettas à entrada, Risotto de Marisco no prato principal e Aebleskivers a rematar na sobremesa. Não vale a pena estar com grandes coisas nas receitas, porque foi assim tudo feito a olhómetro e com aquilo que encontrámos no Pingo Doce. E só não espetámos com o Luís Filipe (ex-Benfica, actual V. Guimarães) no chão ao pontapé porque enfim... O que lá vai, lá vai!


Então é assim: Bruschettas é uma coisa simples! Torrámos o pão e esfregámos dentes de alho descascados no pão. Enquanto o pão torrava preparámos uma salada com tomate, queijo mozzarella de bufala, azeitonas pretas, dipper siciliano, azeite e sal. Deita-se um fiozinho de azeite no pão e cobre-se este com a salada. Colocámos umas fatias de presunto de pato (!) por cima e foi ao forno por uns segundos. Provámos, gostámos e passámos ao risotto!

À falta de tempo (não na cozinha, mas na peixaria à espera que chegasse a nossa vez), agarrámos nuns caldos Knorr de marisco e deitámos em água a ferver. Mantivemos a água em lume fraco. Num tacho fizémos um refogado e acrescentámos miolo de camarão ultra-congelado. Quando estava no ponto, arroz para risotto até ficar translúcido. Vinho branco de seguida, com um toque de caril e coentros. Depois foi o costume, ir adicionando o caldo e rezar para que ficasse bom! LOL =D E resultou tão bem!!

Para fechar, uns fantásticos Aebleskivers à mesa, acompanhados com gelado de chocolate e um doce de morango fenomenal!


E posto isto, arrumaram-se as coisas e fomos para casa, que os 'heróis' Segunda-feira de manhã trabalham! (menos um sortudo, que só começou na Quarta!) ;)

Cumps!

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Café

Há um bom tempo atrás transcrevi, de um folheto da Nicola, um texto que dá umas dicas sobre como avaliar um café.


Antes de mais, e só porque ando mesmo cansado e hoje não me posso deitar às quinhentas como vem sendo habitual, peço que passem os olhos pela Wikipédia, apenas para terem uma noção de quais são os tipos de café e tal...

Então o texto é assim: (peço aos senhores da Nicola que não se chateiem!)

Aroma: percepção olfactiva resultante da libertação de compostos voláteis após o contacto do café com a boca.

Creme: quantidade de creme à superfície do café. Deverá ser consistente, uniforme e de cor avelã.

Cor: intensidade da cor do creme.

Corpo: é a sensação de café forte ou fraco. É característica dominante dos Robustos.

Doçura: sabor perceptível na extremidade da língua.

Amargura: sabor perceptível no fundo da língua.

Acidez:
sabor perceptível nas zonas laterais da língua. Quanto maior a altitude de cultivo, maior a acidez do café. Os Arábicos são, por isso, mais ácidos que os Robustos.

Equilíbrio: percepção conjunta dos aromas e do seu grau de intensidade face ao conjunto amargura/acidez.

Adstringência: sensação de secura deixada na boca após a ingestão, correntemente definida como "língua-cortiça".

Persistência: sensação que fica após a ingestão da bebida. É desejável um sabor que lembre o chocolate.

Paladar: é a combinação do sabor e do aroma. Os Robustos têm um gosto forte e aroma ligeiro, ao contrário dos Arábicos que possuem um sabor delicado e um perfume intenso.


terça-feira, 2 de setembro de 2008

XANAAMMM!!

E cá está, após um mês de Agosto super preguiçoso, uma chuveirada de Quiz!! O que é que se pode pedir mais, ahn!? LOL

Tenho de pedir imensas desculpas às minhas visitas, ainda por cima ando à uma data de tempo para visitar pessoalmente as que tiveram a coragem de deixar a sua opinião de desagrado! Prometo que tratarei disso em breve!

Agosto começou com o meu aniversário, como de costume, e daí para a frente tornou-se algo esquisito... Sem noites memoráveis, sem dias super quentes... E ainda por cima trouxe-me uma amigdalite daquelas que dão febres que não lembram a ninguém... =/

Já com o mês passado, decidi voltar a escrever qualquer coisa, já que receitas também não tenho... Fiz um strogonoff diferente um dia destes, mas saí à pressa para ir para o cinema e não o provei (ainda por cima foi com a massa que trouxe de Itália!!).

Ando com vontade de voltar a experimentar cocktails, mas não há meio de o calor puxar por isso... é da maneira que poupo nas garrafas! Embora já sinta falta de um bom Long Island Iced Tea...

Bem, já estou para aqui a divagar! Não vos quero a aturar os meus "pensamentos em voz alta"

Estou contente por voltar, cheio de vontade de encher o blog de receitas! Entretanto, divirtam-se com os Quiz! =D

Cumps! ;)


AHAHAHAH!!! True, true... =P




You Are Heineken



You appreciate a good beer, but you're not a snob about it.

You like your beer mild and easy to drink, so you can concentrate on being drunk.

Overall, you're a friendly drunk who's likely to buy a whole round for your friends... many times.

Sometimes you can be a bit boring when you drink. You may be prone to go on about topics no one cares about.

Que bebida sou eu!?!?! =D




You Are a Martini



There's no other way to say it: you're a total lush.

You hold your liquor well, and you hold a lot of it!

Que fogo-de-artificio sou eu?




What Your These Fireworks Say About You



You are deeply passionate about a few things in your life.

Everything else, you couldn't care less about.



Your passions tend to hold steady over time. If anything, they intensify.

Once you hold on to something (or someone), you don't let go!

A minha personalidade (como se fosse assim tão simples.......)




Your Personality is Somewhat Rare (ESFP)



Your personality type is playful, charming, open minded, and energetic.



Only about 7% of all people have your personality, including 9% of all women and 5% of all men

You are Extroverted, Sensing, Feeling, and Perceiving.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Bacalhau com Natas


Toda a gente já comeu bacalhau com natas, logo esta receita não representa, à partida, novidade para ninguém!

No entanto, também sabemos que a receita da mãe, ou da tia, ou da avó, é melhor que a da outra prima de França, ou da sogra e por aí fora!

Pois bem, eu sou um fã de bacalhau com natas!! E é com muito orgulho e dedicação que hoje apresento aquela que é, para mim, a melhor receita de bacalhau com natas!!

Ingredientes: (para cerca de 4 pessoas)

500 g de bacalhau
600 g de batata
Óleo para fritar
2 cebolas grandes
2 dentes de alho
Um pouco de cenoura ralada (opcional)
Azeite
2 colheres de sopa de margarina
2 colheres de sopa de farinha maizena
5 dL de leite
4 dL de natas
1 gema
1 colher de sopa de mostarda
sal, pimenta e noz moscada
pão ralado
queijo ralado

Preparação:

Devo começar por referir que esta receita dá trabalho e é uma mistura de alguns pormenores, que eu há muito considero importantes num bom bacalhau com natas, com a receita da página da Vaqueiro.

Comecem por cozer o bacalhau demolhado. Depois de cozido, retirem as espinhas e deixem-no em lascas, meio desfiado. Cortem as batatas aos cubos, fritem-nas no óleo e depois escorram-nos muito bem. Com o azeite, refoguem a cebola e o alho picados, e, se preferirem, cenoura ralada (eu costumo usar um bocadinho, dá um saber ligeiramente adocicado). Tapem o tacho para a cebola amolecer mais rapidamente e sem queimar e juntem ao refogado, quando a cebola estiver no ponto, o bacalhau. Misturem tudo, deixando o bacalhau refogar um pouco também.

De seguida passem ao molho. Derretam a margarina e peneirem a farinha, mexendo. Deixem esta mistura engrossar, não permitindo que mude de cor. Juntem o leite, a gema de ovo e 2dL de natas. Mexendo sempre, deixem o preparado engrossar devagar. Isto vai demorar algum tempo, até atingir aquele ponto de molho branco. Retirem então do lume e juntem os temperos, a mostarda e os restantes 2dL de natas, misturando bem.

Coloquem um pouco de molho no fundo da forma que vão levar ao forno, coloquem o bacalhau e as batatas e deitem o resto do molho por cima. Eu costumo juntar as batatas ao refogado, depois de apagar o lume, e quando o molho fica pronto deito um pouco no tacho e "homogeneízo" tudo! LOL

Depois de tudo colocado na forma e o bacalhau bem tapado com o molho, criem uma fina camada com pão ralado e coloquem queijo por cima deste.

Vai ao forno médio, por pouco tempo, até o queijo gratinar. Não deixem passar muito tempo, senão o molho seca.

Bom apetite!! =D


PS: A foto foi tirada com o telemóvel porque era o que estava mais à mão... Mas serve para o efeito!

segunda-feira, 28 de julho de 2008

I'm a Yellow Crayon!




You Are a Yellow Crayon



Your world is colored with happy, warm, fun colors.

You have a thoughtful and wise way about you. Some people might even consider you a genius.

Charming and eloquent, you are able to get people to do things your way.

While you seem spontaneous and free wheeling, you are calculating to the extreme.



Your color wheel opposite is purple. You both are charismatic leaders, but purple people act like you have no depth.



Respondam à vontade! ;)

domingo, 27 de julho de 2008

Risotto!

O risotto é daquelas coisas... apaixonantes! Eu já tinha essa noção e troquei muitas impressões antes de me aventurar! A primeira experiência correu mal, a segunda, em casa da Fipa, correu BASTANTE melhor! Mesmo assim há ainda muito espaço para progredir, antes de tentar a receita de Risotto de Cogumelos que encontrei na Escócia!

Porque é que uma receita que ainda não correu bem é tão apreciada? Porque de cada vez fica melhor! Dá trabalho, mas exige que a cada vez que se faz sejamos mais apurados, mais exactos, mais atentos... E o resultado final... é tão bom!


«Making a good risotto is rather like riding a bicycle: It takes a little bit of practice to begin with, and a certain amount of concentration thereafter.»


Também ouvi uma vez alguém dizer que para o risotto ficar bem, é preciso aprender a fazer amor com ele! LOL É preciso gosto, estar com atenção, ter aquele toque... ir adicionando o caldo... condimentar nas porções certas... Enfim! Adoro risotto!

Em casa da Fipa o menu foi uma variante de Risotto de Galinha à Milanesa e, para sobremesa, Fondue de Chocolate! =D

Ingredientes: (para duas pessoas)

60g de margarina
500g de frango finamente fatiado
1 cebola picada
1 lata pequena de cogumelos laminados
250g de arroz arborio
1L de caldo de galinha
75mL de vinho branco
1 colher de chá de açafrão em pó
sal e pimenta
milho
queijo parmesão ralado


Preparação:

Arranjem e temperem a carne, juntando um bocadinho de sumo de limão. Façam o caldo de carne, fervendo a água e adicionando 1 ou 2 caldos Knorr. Eu usei, também, umas tirinhas de bacon e as partes dos peitos de frango que retirei (algumas peles, gorduras, etc...) quando o arranjei e cortei. Refoga-se a cebola, os cogumelos e o frango na manteiga, até ficarem bem tostados. Junta-se o arroz e mexe-se bem. Deixem o arroz fritar um bocadinho e juntem o vinho, o açafrão, o sal e a pimenta. Deixem o vinho evaporar. O caldo deve estar sempre num lume pequeno e fraquinho, para se manter quente. Quando o vinho estiver praticamente evaporado, juntem umas quantas conchas de caldo, até tapar o arroz. Vão sempre controlando e mexendo o arroz e adicionando caldos, aos poucos, quando virem que este está a ficar seco. O lume deve estar brando e o arroz deve demorar uns bons 20 minutos a cozer. Não deixem de mexer o arroz!

«O risotto é um prato típico italiano em que se fritam levemente as cebolas e o arborio, ou o arroz em manteiga, e se vai gradualmente deitando caldo de carne e outros ingredientes, até o arroz estar cozido e não poder absorver mais líquido.

Risotto, que significa literalmente pequeno arroz, é um prato típico da região do Norte da Itália, mais especificamente ele provém da Lombardia. O risoto data do século XI quando o sul da Itália era dominado pelos Sarracenos e esses trouxeram o grão usado para a preparação do ristoto.

A receita original de risoto surgiu em 1574. Por quase 200 anos, nesse tempo, havia muito trabalho na construção de uma Catedral, Duomo di Milano, havia carpinteiros, arquitetos e pintores de toda a Europa. Em uma pequena fazenda poliglota ali perto havia uma comunidade Belga: Valerio de Fianders, mestre na fabricação de vidros, tinha que fabricar algumas janelas para a Catedral e isso lhe trouxe muitos estudantes. Um em particular se destacava dos outros devido a sua abilidade de misturar cores. Seu segredo era misturar um pouco de açafrão quando o vidro estivesse pronto. Seu mestre sabia da paixão de seu mais prospero aluno por açafrão, mas fingia que não sabia de nada e se limitava a disser a seu aluno, irritando-o, que se ele continuasse com isso iria acabar colocando açafrão no risoto. Ápos muitos anos de incomodação o aluno decide aplicar um truco no seu mestre: A filha de Valerio iria se casar e o aluno subornou o cozinheiro para esse colocar no risoto um pouco de açafrão. Imagine a surpresa dos convidados quando viram aquele arroz amarelo. Um teve a coragem de experimentar, depois outro e mais outro e todos adoraram surgindo assim o risotto alla milanese.»

by Wikipédia! =D


No fim, depois de apagar o lume quando o arroz ainda tem um bocadinho de caldo para evaporar, mas já está cozido, solto e cremoso, junta-se um pouco da margarina, queijo e eu juntei também milho!

O risotto absorve uma quantidade de água incrível, e os seus grãos incham bastante! É fenomenal! LOL E com a absorção da água, adquirem os sabores que nela incorporámos. Neste caso, o caldo de carne, mas também se pode fazer de marisco, peixe, vegetais... Combinar o sabor dos caldos, com as especiarias e os ingredientes a usar, é uma arte! =D E as combinações são infindáveis!

É uma receita que requer prática, mas depois de a adquirir é extremamente fácil, imaginativa e impressionante!


Quanto ao fondue... Epah, é fondue de chocolate! Que mais há para dizer!?!? =D LOLOL

Cumps!

sábado, 19 de julho de 2008

Calzones (Massa fina para Pizzas)


Já no Natal andei com a Fipa a ver de uma máquina de fazer pão e quando estive na Escócia vi uma a funcionar! Aquilo é espectacular! Como ainda não vi nenhuma Bimby a trabalhar (lolol), aquilo para mim é o auge do automatismo culinário, e faz um pão fantástico...

Desde essa altura que comecei a interessar-me pela "arte" de fazer pão! Tenho imensa curiosidade em ir visitar o Museu do Pão, em Seia e ando a ler umas coisas pela internet, mais uns vídeos no Youtube... O resultado? (esta é para ti Carla): Massa para pizza fininha! =D

É tão simples!! Não acreditam? Eu vou explicar como fazer, mais à frente falo sobre o que acontece à massa do pão!

Ingredientes:

250g de farinha
25g de fermento de padeiro ou fermento seco especial para pão (a dosagem deve variar)
1 colher de sopa de azeite
1 copo de água morna
sal

Preparação:

Comecem por diluir o fermento em meio copo de água morna. Deixem repousar durante 5 minutos. Se quiserem também podem usar fermento seco, daquele que vem em pacotes, especial para pão (IMPORTANTE: Não usem daquele para bolos!)

Coloquem a farinha numa tigela grande, juntem o sal e o azeite. Mexam um pouco. Agora juntem o copo de água morna com o fermento diluído e mexam. É natural que a massa não se esteja a ligar. Para isso é necessário ir juntando, aos poucos, mais água. Quando a massa já se estiver a ligar, tirem da tigela e coloquem-na numa bancada. Vão amassando com as mãos até a massa se despegar dos dedos. A massa do pão não deve estar muito elástica. Para tal, quando a massa já não se colar e estiver elástica, molhem os dedos com água e voltem a amassar a massa.

Depois da massa pronta, é preciso deixá-la levedar. Coloquem-na na tigela, com alguma farinha para não agarrar, e tapem-na com um pano. Passado 1 hora retirem a massa e voltem a amassá-la. Depois, dividam a massa conforme for necessário. Por exemplo, se quiserem fazer 2 calzones, façam duas bolinhas de massa, se quiserem fazer uma só pizza deixem a massa assim.


A massa dividida volta para a tigela por mais uma meia hora e está pronta a esticar! Podem usar o video que está aqui. Para fazer pizzas fininhas usando o rolo da massa, o truque é passar o rolo por cima das bordas da massa, ou seja, usam normalmente o rolo, a partir do centro, mas quando chegam ao fim da massa, passam com o rolo até só haver bancada!

E isto porquê?

O vídeo acima explica muito do que vou falar aqui, mas começando pelo básico...

(os senhores da Wikipédia que me desculpem por eu copiar excertos de textos!)

As farinhas que usamos são à base de trigo e 80% das proteínas do trigo são compostas por glúten, uma proteína amorfa que se encontra na semente de muitos cereais, combinada com o amido. O glúten é composto por gliadina e glutenina, e responsável pela elasticidade da massa da farinha, o que permite a sua fermentação, assim como a consistência elástica esponjosa dos pães e bolos. Basicamente, o glúten é como pastilha elástica, formando uma rede que impede que o dióxido de carbono resultante da fermentação se escape da massa. Podem observar isso aqui. Mais informação: O glúten encontra-se em cereais como o trigo, a cevada, a aveia e o centeio, mas não se encontra no arroz nem no milho. Eu não procurei, mas deve ser por isso que a deliciosa Broa de Milho tem a estrutura que tem, muito diferente do pão "convencional".



E o que é a fermentação, perguntam vocês? LOLOL :P

A fermentação é um processo anaeróbio de transformação de uma substância em outra, produzida a partir de microorganismos, tais como fungos e bactérias, chamados nestes casos de fermentos. Exemplo de fermentação é o processo de transformação dos açúcares das plantas em álcool, tal como ocorre no processo de fabricação da cerveja, cujos álcool etílico e CO2 (dióxido de carbono) são produzidos a partir do consumo de açucares presentes no malte, que é obtido através da cevada germinada.

Este é o mesmo processo usado na preparação da massa do pão (ou bolo), onde os fermentos das leveduras ou fungos consomem o açúcar obtido do amido da massa do pão, liberando CO2 (dióxido de carbono), que aumenta o volume da massa.

Antigamente só se usavam este tipo de fermentos, "fermentos orgânicos". Hoje existem "fermentos artificiais" ou "químicos". Este "fermento químico" incha a massa porque libera CO2 com o aumento da temperatura, sendo este composto principalmente por bicarbonato de sódio e um ácido fraco. Daí ser extremamente importante, na massa da pizza, o uso de fermentos orgânicos e não de fermentos químicos. Isto prende-se ao facto de que, se queremos uma massa fina, temos de lhe retirar o dióxido de carbono ANTES de ela ir para o forno!

O processo que descrevi é basicamente o seguinte: a massa é feita e deixa-se a levedar, libertando CO2. Passado uma hora, e após uma grande libertação de gás, nós voltamos a amassar a massa para libertar o gás aprisionado na rede de glúten. Mas ao amassá-la, estamos a redefinir a rede de glúten que se havia formado. Resultado: uma massa extremamente elástica e muito difícil de esticar e manusear. Solução: deixá-la novamente a repousar, para a rede de glúten se reorganizar. Vai continuar a dar-se a fermentação, mas não ao ritmo da primeira hora. Ao moldar e esticar a massa novamente para fazer a nossa pizza, o facto de passarmos o rolo até ao fim da massa ajuda a retirar qualquer CO2 que ainda esteja aprisionado na mesma.




Espero ter tornado este post interessante e ter deixado claro todo o fascinante processo da massa do pão, como se fazem massas finas para pizzas, e o porquê de a massa ficar fina!

Agora toca a praticar!!! =D Não se esqueçam é que a massa tem de começar a ser feita com muita antecedência, senão acabam como eu, a jantar às 23h30 da noite... =/

Já agora, as minhas calzones levaram um fiozinho de azeite espalhado pela massa, fiambre, cogumelos frescos, molho de tomate (polpa de tomate, dipper siciliano, alho em pó, molho inglês, sal, pimenta e açúcar), queijo mozzarella de búfala, queijo especial para pizzas e ovo! Uma delícia....

Cumps! ;)

segunda-feira, 14 de julho de 2008

News Flash!

Só numa de actualizar isto:

- Fiz bolo-pudim, mas com bolo de chocolate e pudim de laranja. O caramelo foi com açúcar mascavado. Conclusão: O açúcar mascavado faz um caramelo muito intenso (quem conhece umas amêndoas torradas, assim castanhas, que há na Páscoa sabe do que estou a falar) e a receita que fiz do pudim ficou uma treta, para a próxima faço pudim normal com muita raspa de laranja... Mas o bolo de chocolate ficou bom...! ...

- Estou a tratar de uma upgrade ao meu computador, assim parte do que tenho agora vai servir para uma upgrade ao do meu avô! Depois faço um post com mais pormenores. Não é que seja algo interessante, mas sempre relata qualquer coisa destas minhas férias!

- A minha mãe hoje faz anos! Cá em casa isso é sinónimo de Dia Mundial das Limpezas, já que é o único dia do ano em que não temos coragem de dizer 'não' ao que ela nos manda fazer...

- Ando, com mais alguma malta, à procura de um bar onde se jogue trivial, ou quiz. Se alguém conhecer, por favor comente. Obrigado!


E é tudo! ;) Prometo voltar em breve, mas agora tenho de ir jogar ao 'Olho do cu' com os meus primos!! :P

sábado, 12 de julho de 2008

Gosto das pessoas que têm grandes certezas na vida.
Mas acho mais interessantes as que têm grandes dúvidas.





...





:/

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Sabemos que o tempo nos foge...

... quando deixamos de ter tempo para escrever qualquer coisinha no blog!

Trabalho, trabalho, trabalho, trabalho...... e daqui a uns dias volto a estar de férias! Vou ficar por cá, mas tive umas propostas bem tentadoras! 7 noites em Palma de Mallorca - 299€ ; Tunisia - 375€ Se quiserem aproveitar digam, mas isto só dura mais uns dias... (no fundo estou-me a roer de inveja de não poder aproveitar... Uma semaninha em palma de mallorca..... ou na tunisia..... ... ...)

Quanto à culinária, só experimentei umas calzones, com a nova mania de fazer massa de pão para as pizzas fininhas. Confesso que a coisa começa a correr bem melhor!! :P

E pronto, fico-me por aqui, tentarei arranjar inspiração para escrever qualquer coisa no blog!

Cumps! ;)

segunda-feira, 30 de junho de 2008

terça-feira, 24 de junho de 2008

Bolo Pudim - Óptimo para o Verão!

A minha sensação é de que esta iguaria é relativamente conhecida... A quem não a conhece só posso dizer que é extremamente simples, refrescante e saborosa!

A ideia é levar ao forno o pudim e o bolo que, por terem densidades diferentes, não se misturam e ficam por camadas! É um bolo que se deve manter no frigorífico, logo está sempre fresquinho para quando chegamos da praia! :P

Ingredientes (para a massa do bolo):

4 ovos
o mesmo peso dos ovos em açúcar
metade do peso dos ovos em farinha
1 colher de chá, bem cheia, de fermento em pó
raspa de limão

Ingredientes (para o pudim):

6 ovos
6dL de leite
200g de açúcar
raspa de limão

São ainda necessárias umas 16 colheres de sopa de açúcar para o caramelo


Preparação:

Primeiro prepara-se o caramelo com o qual se vai forrar a forma do bolo. Tenham atenção em ter a forma preparada, pois o caramelo solidifica depressa e é preciso que fique bem espalhado! Deitem pelo centro, para forrar logo o bocado da forma que faz o buraco a meio do bolo e depois, com cuidado, vão fazendo o caramelo deslizar pelos lados da forma. Deixem arrefecer bem o caramelo (ele vai estalando) e, quando já estiver frio, barrem com margarina, por cima do caramelo, deixando uma camada fininha (não é preciso besuntar! lol)

Agora o Pudim: Misturem muito bem o açúcar com os ovos, sem usar a batedora eléctrica! Quando o açúcar estiver dissolvido, adicionem o leite e a raspa do limão. Eu costumo usar raspa de limão e baunilha! Depois de tudo mexido, coloquem o preparado na forma já preparada.

Massa do Bolo: (aqui já se pode usar a batedora eléctrica) Bata muito bem as claras em castelo! Certifiquem-se que ficam fofas e firmes. Depois batem-se muito bem as gemas com o açúcar e a raspa do limão. Eu costumo dispensar a raspa do limão e substituo por canela e um licor... Depois de tudo bem misturado, envolve-se alternadamente ao preparado as claras em castelo e a farinha, com o fermento misturado (sem batedora eléctrica, só ligando tudo delicadamente, um pouco de claras, e depois um pouco da farinha de cada vez).

Deite este preparado sobre o pudim e vai reparar que a massa não se misturar e fica a "flutuar" sobre o pudim! Leve a cozer em forno moderado. Verifique se está cozido e, quando assim for, retire, deixe arrefecer, descole dos lados e só depois desenforme! Este é um bolo que não vai querer forçar a desenformar... LOL Mas com o caramelo arrefecido, a tarefa torna-se simples, só é preciso paciência para que arrefeça!

Guarde desenformado no frigorífico até servir, e acreditem... vale bem a pena guardar um pouco no frigorífico até à primeira fatia! =D


E pronto! Dito assim até pode parecer complicado, mas não é! Só é preciso paciência! E caso tenham dificuldades em espalhar o caramelo, podem sempre, com cuidado, colocar a forma do bolo a aquecer num bico do fogão e voltar a "moldar" com a ajuda de uma colher. ;)

Este bolo pudim foi feito à pressa, daí o aspecto menos cuidado evidenciado na foto! LOL A próxima experiência vai ter a mesma "estrutura", mas com bolo de chocolate e pudim de laranja! :P Vamos lá ver como fica...

Bom apetite! =D

domingo, 22 de junho de 2008

De volta!

Depois de uns 15 dias de ausência total (só com umas raras visitas aos blogs mais próximos), estou de volta e com boas notícias! Só volto ao trabalho na quinta-feira!! Vou ter um fim-de-semana e três dias de dolce far niente! A única coisa com que me vou preocupar são as próximas férias!

Quanto à minha ausência... blame it on the Euro2008, nos santos populares, nas petiscadas, nos amigos e, claro, no trabalho... Nem tenho experimentado receitas novas, tão pouco é o tempo que passo em casa... =/ Mas vou tentar fazer umas coisas giras nestes dias! ;)

E para não acabar já aqui o post, vou falar de uma sessão de cinema HD que tive ontem! LOL



Começando por este, deixem-me que vos diga uma coisa: LOOOOOOOOOOLLLLLLLL!!!!!!!!!!!!

Péssimo filme, mas quando não se está à espera, é de morrer a rir! Se alguma vez estiverem numa onde de atrofiar com um filme, esta é um óptima escolha, um daqueles filmes onde tudo, mas mesmo TUDO!! é possível! :P



E depois de um fraquinho, tínhamos de compensar com um grande filme. Não gosto de contar filmes, nem tão pouco tenho jeito para isso, mas acreditem que este filme é muito bom e se puderem, aproveitem para ver. Isto, claro, para quem ainda n viu! :P

Já não vou ao cinema há imenso tempo, mas quero ver se volto brevemente para ver o Hancock. Já fui buscar o video ao youtube para colocar aqui, mas ele teima em não aparecer... por isso fiquem atentos, porque qualquer dia em cai aqui de pára-quedas!

AH! Mais uma coisa! Já é Verão!! Embora não tenha chegado aos 2000 visitantes como previa, fiquei perto! Por isso o meu muito obrigado a quem visita este blog minúsculo! =D

Cumps!

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Guilty Pleasures

Em resposta ao desafio da artemisa, tenho de nomear 10 coisas que me dêem prazer, mas que ao mesmo tempo provoquem em mim um sentimento de culpa... Depois de muito pensar e estudar, que isto não é mesmo nada fácil, aqui vão elas!!

1 - Condução "arrojada": São umas coisas que me dão às vezes... Deve ser qualquer coisa nos génes... Mas sublinho que sei que é uma irresponsabilidade e que me sinto mesmo mal quando acontece. É provavelmente o guilty pleasure que mais me aborrece e que quero mesmo eliminar! Depois vem o nº 4! LOL A boa notícia é que estou a conseguir! ;)

2 - Gastar rios de água no duche: A água a escorrer pelo corpo... Passa pelas orelhas e fica assim tudo ainda mais em silêncio... É um hábito terrível, e provavelmente o que me sabe melhor, daí ainda não ter feito absolutamente NADA para mudar!

3 - Demorar a levantar-me da cama: Aliás, eu não me levanto da cama... Eu arrasto-me até cair ou estar fora da cama. E só me levanto quando começo a ficar com frio! LOL Mas isto é só às vezes! :P Geralmente, o que me deixa chateado, é acordar, olhar para o relógio e pensar: "Óptimo, acordei a horas! Ainda tenho tempo para me arranjar, sair de casa nas calmas..." Geralmente fico mais tempo na cama e quando finalmente consigo deslizar para fora dela, arranjo-me à pressa e fico sempre lixado quando olho para o relógio do carro: "FUCK! Olha-me as horas!" :/

4 - Implicar com as pessoas: Implico com toda a gente, é o mau feitio! Sempre a arranjar discussões. Especialmente com a minha irmã. Ela sofre horrores... LOL passo a vida a implicar com ela, a fazer-lhe cócegas, às pancadinhas... Os avisos para parar só fazem pior, e só costumo parar quando ela desata à estalada ou a berrar seriamente....

...

...

Depois espero 5 minutos e volto a fazer o mesmo.... hihihihihih :P

5 - Ser preguiçoso: E sou preguiçoso em relação a muita coisa... Estar sempre a pedir favores é uma coisa: "traz-me ali aquilo, faz-me o lanche, etc etc etc..."; Ficar em casa, no sofá, agarrado ao comando, sabendo que devia estar a fazer exercicio fisico é outra! É horrível!!!!!! Sinto-me mesmo mal com isto...

Estou a falar a sério...

6 - Desarrumado: Ser desarrumado dá-me mesmo prazer. Deixar algo fora do lugar, raramente acontece sem eu ter a perfeita noção de que a estou a deixar desarrumada! E a culpa é ainda pior porque sei que deixo a maior parte das coisas desarrumadas porque tenho quem as arrume! Preciso mesmo de ir viver sozinho... Será um grande passo no meu desenvolvimento socio-pessoal! :P LOL

7 - Apontar defeitos: Estou sempre pronto a apontar defeitos... No trabalho então... Também sei apontar qualidades! Mas vou sempre primeiro aos defeitos: "olha, não fizeram isto...";"falta apertar aquilo";"mas aqueles gajos nunca se lembram de coiso e tal?!";"estes engenheiros... não percebem nada disto!" :P LOL depois sinto-me mal, porque não sou ninguém para fazer este tipo de julgamentos e, afinal de contas, toda a gente erra, principalmente eu...

8 - Ser bruto a falar: De vez em quando as respostas a certas coisas saem assim em forma de... explosão oral! Parece que a única coisa em que "penso" é em abrir a boca... Depois a resposta sai num reboliço, com um volume altíssimo, num tom agressivo e a uma velocidade bem mais rápida do que a de processamento do meu cérebro! E, infelizmente, pouco ou nada há a fazer depois da resposta dada... :(

9 - Gastar dinheiro: quando o faço, sei porque é que o faço! Sei mesmo! E nem costumo sentir-me muito mal, mesmo que gaste uma quantia elevada, devido a isso. Mas no fim do ano, quando chega o recibo dos ordenados para o IRS... Eu olho para o que ganhei, olho para o que tenho no banco... :| enfim!

10 - Chatear outras pessoas com este questionário, nomeadamente a tinha, a fox, a neia, a carla, a billas, o sdm, o fabionic, a seni e a mafalda! Não há pressa, quero-me sentir o menos culpado possível! =D LOL

Cumps! ;)

sábado, 31 de maio de 2008

Chamuças Doces

A receita não é minha, devo confessar... Vi a receita no Entre Pratos e pensei cá para mim: "Hmm... isto com outras coisas também deve ficar bom!"

E, com a preciosa ajuda da mãe de um grande amigo, alguém que sabe tudo de chamuças, lá fui eu aprender a fazê-las! E digo-vos uma coisa... Não é nada fácil! LOL Ou melhor, com a prática chegamos lá... Mas existem muitos truques!

A massa é apenas farinha, água e sal. Depois tem de descansar uns 15 ou 20 minutos e é estendida por camadas, para ficar bem fininha! (infelizmente não tenho fotos... Mas quando eu me aventurar tiro algumas! :P) Depois assam-se e separam-se. Cortam-se as tiras e é preciso, durante todo o processo mas especialmente aqui, envolver a massa num pano para que não seque, senão é impossível fazer as dobras para as chamuças, ou então a massa começa a rasgar. A massa a rasgar também é consequência da falta de jeito, que era o meu caso... :p

Um conselho: façam o recheio antes de fazer a massa! Assim não existe o risco de a massa secar, pois quando a acabam podem logo começar de rechear. Depois é fazer as dobras, e quando se tem prática elas ficam lindas!! =D Usa-se água com farinha para fazer uma cola que une as pontas e alguns rasgões/buracos. É importante, ao fazer as dobras, não deixar buracos nos cantinhos para o óleo não entrar enquanto se fritam as chamuças. AH! e quando as colocarem no óleo, a última dobra deve ir para baixo. Assim a cola solidifica logo, reduzindo a hipótese de a chamuça se abrir e estragar o óleo.

Quanto ao recheio, existe o famoso recheio de carne picada e especiarias. Mas hoje tentámos: figos e nozes; tâmaras, nozes, gengibre e canela; doce de abóbora, pinhões, nozes, canela e tâmaras! LOL

O doce de abóbora deixa as chamuças doces demais e é muito complicado de fritar, mas com um fiozinho de chocolate negro a acompanhar, estilo crepe... Dá uma excelente sobremesa para os mais gulosos! :P Mas os figos e as tâmaras, com os frutos secos... É diferente! E é muito bom... =D

Agora hei-de experimentar Chamuças de Camarão! Fiquei curioso com esta... Mas está lançada mais uma ideia para aquelas reuniões de família, ou aqueles jantares de amigos em que se procura surpreender!




Cumps! ;)

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Coxas de Frango com Molho de Laranja


Sexta-feira fiz uma visita a casa da Fipa e tratámos de arranjar o jantar! Depois de muito pensar, lá fomos tratar dos ingredientes e preparar o manjar! Acabámos a jantar lá para as 23h...!! LOL Mas ficou bastante bom! Um franguinho com molho de laranja e mel, com tâmaras enroladas em bacon como entradas e uma sangria simples para empurrar! A sobremesa foram uns profiteroles e o frango foi acompanhado por um arroz simples, já que não havia pinhões no Continente do Rio Sul... são os inconvenientes de supermercados no meio do Deserto... :p

Ingredientes:

8 Coxas de Frango
1 copo de Sumo de Laranja
2 colheres de sopa de Margarina
4 colheres de sopa de Sumo de Limão
3 dentes de Alho esmagados
2 colheres de sopa de Mel
8 Fatias de Bacon
Farinha de trigo
Sal
Pimenta


Preparação:

Lave os pedaços de carne e tempere-os com sal, pimenta, alho e limão. Deixe-os repousar durante 30 minutos. Escorra e passe-os por farinha de trigo. Envolva cada pedaço com bacon e coloque-os, numa só camada, numa forma refractária. Despeje por cima o tempero onde as coxas estiveram a marinar, misturado ao sumo de laranja, à manteiga levemente derretida e ao mel (os alhos podem, ou não, ir juntamente com as coxas para o forno). Asse em forno médio/alto, até que a pele do frango esteja tostada e o molho tenha engrossado.


Bem, nesta receita eu tive de usar mais que 8 fatias de bacon, porque estas eram muito fininhas. Também coloquei uma nozinha de margarina em cada coxa, em vez de a derreter e juntar ao molho, e tirei a pele às coxas de frango, para limpar um pouco mais da gordura que traziam.





Bom apetite! =D

domingo, 25 de maio de 2008

Aebleskivers


Esta é uma receita que eu trouxe da Dinamarca! É uma sobremesa natalícia, muito apreciada! Por eles, e por mim... :p A máquina não foi barata, mas dá sempre jeito! Ainda vai chegar o dia em que vou, com isto, fazer Profiteroles caseiros! Até me cresce água na boca...

Bem, eu não tive tempo de fazer uma grande pesquisa, por isso deixo-vos só uma história simples (a única de que me lembro!) sobre este doce, que não passa de uma panqueca. Os dinamarqueses adoram panquecas, e os vikings são dinamarqueses. Ora, os vikings, quando iam para as guerras deles, não tinham outro sitio para fazer as panquecas senão os escudos, e os escudos dos vikings têm umas bolas que lhe conferem resistência extra. Ao cozinhar as panquecas nos escudos, elas saíam assim, em bola!


Ingredientes:

4 ovos
2 chávenas de farinha
1 chávena de leite
50g de margarina
1 colher de sopa de açúcar
1 colher de chá de fermento em pó

Preparação:

Esta receita não está escrita em lado nenhum, eu tive de a ir aperfeiçoando... Se tiverem sugestões, ou se souberem como a melhorar, estão à vontade!

Eu começo por separar as gemas das claras. Bato as claras em castelo e depois bato as gemas, numa tigela à parte, com o açúcar. Depois junto a margarina derretida, mas fria, o leite e, quando estou para aí virado, essência de baunilha, licor... qualquer coisa para dar aroma! Depois envolvo a farinha e as claras alternadamente. Isto torna a massa mais fofa e solta. Mas as medidas não são exactas... É frequente ter de adicionar ou mais farinha, ou mais leite... O importante é a massa não estar demasiado liquida, para a bolinha se formar toda. Se estiver com dificuldade em deitar a massa na frigideira própria, os aebleskivers vão ficar demasiado rijos, o que também não é bom...

Depois é só fazer como no filme! A forma de apreciar estes docinhos é mergulhá-los, à mão, em doce e passá-los por açúcar em pó. Se quiserem um efeito mais bonito, faz-se isso no prato. Também podem arranjar um molho de chocolate, chantilly... enfim, usem a imaginação! Na foto está um aebleskiver com doce de tomate e açúcar em pó. O meu preferido é com doce de abóbora e canela! =D



Cumps!